Connect with us
img

Favorite News

João Leão admite revisão em baixa do PIB e défice maior em 2021 – ZAP

Injeção no Novo Banco foi chumbada, mas OE prevê 467 milhões para outros bancos falidos - ZAP

NOTÍCIAS FINANCEIRAS

João Leão admite revisão em baixa do PIB e défice maior em 2021 – ZAP

António Pedro Santos / LusaO ministro de Estado e das Finanças, João Leão
O Ministério das Finanças admitiu que o crescimento da economia portuguesa em 2021 deverá ser revisto em baixa e que o défice orçamental deverá ser maior face ao estimado no Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021). Quanto ao défice de 2020, deve ficar abaixo do valor estimando. 

 
O Governo estima que o défice orçamental de 2020 tenha ficado abaixo dos 7,3% previstos no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), sendo esta melhoria atribuída à evolução do emprego e consequente impacto na receita fiscal e contributiva.
“A evolução mais positiva do emprego, com reflexo na receita fiscal e contributiva permite-nos antecipar que o défice orçamental em contas nacionais de 2020 deverá ficar abaixo dos 7,3% previstos no Orçamento do Estado para 2021”, refere o ministério tutelado por João Leão, antecipando que o saldo orçamental deverá “ficar mais próximo do valor inicialmente previsto no Orçamento Suplementar de 2020”.

A proposta de OE Suplementar entregue no parlamento apontava para um défice de 6,3% em 2020, mas em julho João Leão referiu que o mesmo iria ser revisto em alta para 7,0% na sequência das medidas de alteração à proposta orçamental entretanto aprovadas.
Relativamente a 2021, e tendo em conta a evolução da pandemia observada desde o início do ano, o Governo não antecipa melhorias face à sua estimativa de défice de 4,3%.
No comunicado, o Ministério das Finanças sublinha que o saldo orçamental em contabilidade pública de 2020, hoje conhecido, “difere significativamente do saldo em contas nacionais”, uma vez que este segundo “incorpora informação adicional que apenas será apurada em março”.
2020 com um défice de 10,3 mil milhões
De acordo com os dados da execução orçamental esta quarta-feira divulgados pela Direção-Geral do Orçamento, as administrações públicas fecharam o ano de 2020 com um défice de 10,3 mil milhões, um agravamento de 9,7 mil milhões face a 2019.
Sublinhando o impacto “muito acentuado” da crise pandémica na economia em 2020, o Ministério de João Leão assinala, no entanto, que o comportamento do mercado de trabalho foi bastante mais favorável do que o previsto, “o que deverá ter um impacto positivo nas contas públicas”. Já no que diz respeito à despesa, o Ministério das Finanças adianta que esta “terá ficado próximo do valor previsto na estimativa de 2020 incluída no Orçamento do Estado para 2021”.
Apesar de antecipar para 2020 um desequilíbrio do saldo orçamental inferior ao que estimava em outubro, quando entregou no parlamento a proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE202), o Governo entende que esta melhoria não se vai repetir em 2021.
“Apesar desta revisão para 2020 ter um efeito base positivo, não se antecipa uma melhoria da previsão do saldo orçamental para 2021”, refere o mesmo comunicado, que remete para uma segunda vaga da pandemia “mais intensa do que o esperado”, em que “as medidas restritivas de confinamento associadas, com maiores apoios ao rendimento das famílias e às empresas, deverão conduzir a uma revisão em baixa do cenário macroeconómico e do saldo orçamental para 2021”.


Source link

Continue Reading
You may also like...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in NOTÍCIAS FINANCEIRAS

To Top
error: Content is protected !!